Paisagens [naturalmente] culturais

Português/Español

Esses dias estivemos em Berlim, e fiz um passeio pelo Südgelände Natur-Park. Foi uma visita inspiradora, que me levou a escrever várias paginas de reflexões no meu caderninho de viagem, e acho que algumas podem ser interessantes para compartir neste espaço.

O Südgelände fica na zona sul de Berlim, entre duas linhas férreas ativas, e ocupa uma típica área residual ferroviária que esteve abandonada por cerca de 40 anos.

Durante este tempo a natureza foi recuperando seu território entre velhos trilhos, construções e escombros.

Alguns cidadãos locais se deram conta deste espetáculo e empenharam-se em conseguir que aquela área fosse convertida em parque. E assim foi. Só que o resultado foi um parque onde nem a natureza nem os elementos culturais são tratados como monumentos. O que se vê é uma integração harmoniosa entre a modificação dos processos da sociedade moderna e a regeneração ecológica, num cenário dinâmico e atual. Uma intervenção arquitetônica delicada e despretensiosa, e ao mesmo tempo extremamente poética e efetiva. É uma oportunidade para  o urbanita ter contato com os processos culturais e ecológicos que definem a vida nas cidades.

Na minha opinião espaços desse tipo são uma verdadeira inspiração para tratar as paisagens urbanas.

Dentro do parque, através de caminhos suspensos do solo, que parecem dizer “chega! Aqui já não se pisa”, somos convertidos em espectadores da reconquista natural. Em outros pontos somos convidados a interagir, e surgem elementos de arte e espaços de exposição.

           

É um desses lugares que, depois de um dia andando entre museus e monumentos,  te levam a pensar sobre um monte de coisas: tem maior valor histórico um aqueduto ou catacumba romanos, que uma ferrovia moderna? O que é patrimônio a final? Será que valorizamos mais algumas épocas que outras? Quem conta mais a nossa história? Um palácio? Teatro? Igreja? Mas será que só dessas fontes podemos conhecer de verdade nossas culturas e história? E quais serão os monumentos que contarão a história desse tempo?

Eu particularmente acho que “ler” uma cidade somente através de seus edifícios equivale a se informar só através de telejornais. Ficamos com uma idéia incompleta do que nos rodeia e pouco nos instiga a pensar com profundidade sobre quem são as pessoas desse lugar e como vivem de verdade.

As infra-estruturas de uma cidade transmitem valores importantes, e podem dizer-nos muito sobre a sociedade que nela habita.

Aí volto ao lar em pensamento, e me pergunto sobre São Paulo: o que nos dizem aqueles rios e seu entorno? Ou os cabos elétricos  aéreos? Ou o sistema de esgoto? E as zonas residuais dos nossos sistemas de transporte? O que fazemos com elas? Que história estamos contando para as seguintes gerações? […]

Tampa sobre o rio Tamanduateí - Av. do Estado

Outra paisagem é possível?

Bom, mas isso já é quase outro post, e paro por aqui deixando a semente de uma idéia: nos últimos anos tenho tido um interesse quase obsessivo por um tipo de  “turismo antropológico” que vem sendo ao mesmo tempo motivo de entusiasmo e uma certa bronca sobre essa prática. A questão é que acho que podemos extrair muito mais daí! Esse parece ser uma espécie de “punto gordo” onde creio que um outro turismo poderia converter-se numa ferramenta incrível de empatia, solidariedade, e conhecimento mútuo entre os cidadãos da urbe contemporânea.

Paisajes [naturalmente] culturales

La semana pasada estuve en Berlín y fui a dar un paseo por el Südgelände Natur-Park. Fue una visita inspiradora, que me llevó a escribir varias paginas de reflexiones en mi cuadernillo de viajes, de las cuales algunas me parecen interesantes para compartir en este espacio.

El Südgelände está en la zona sur de Berlín, entre dos líneas férreas activas, ocupando una típica área residual ferroviaria que estuvo abandonada cerca de 40 años.

Durante este período la naturaleza ha ido recuperando su territorio entre  los carriles, construcciones y escombros.                                                                         Algunos vecinos se dieron cuenta del espectáculo y se empeñaron en conseguir que la zona se convirtiese en parque. Y eso fue lo que pasó. Sin embargo el resultado es un parque donde ni la naturaleza ni los elementos culturales presentes están tratados como monumentos. Lo que se ve es una integración armónica entre el cambio en los procesos de la sociedad moderna y la regeneración ecológica, en un escenario dinámico y actual. Una intervención arquitectónica delicada y sin pretensiones, a la vez que poética y efectiva. Se trata de una oportunidad para que el urbanita tenga contacto con los procesos culturales y ecológicos que definen la vida en las ciudades.

En mi opinión, espacios de este tipo son una verdadera inspiración a la hora de tratar los paisajes urbanos.

Dentro del parque, por caminos suspendidos sobre el suelo que parecen decirnos “¡que aquí ya no se pise!”  nos convertimos en espectadores de la reconquista natural. En otros puntos somos invitados a interactuar y surgen elementos de arte y exposiciones.

Se trata de uno de esos lugares en los que después de un día caminando entre museos y monumentos te llevan a reflexionar sobre un montón de cosas: ¿tiene más valor histórico un acueducto o catacumba romanos que un ferrocarril moderno? ¿Qué es el patrimonio, en definitiva? ¿Será que algunas épocas tienen más valor que otras? ¿Qué es lo que cuenta mejor nuestra historia? ¿Un teatro? ¿Una iglesia? ¿Será que sólo a partir de ellos podemos conocer de verdad nuestras culturas  e historia? ¿Cuales serán los monumentos que contarán la historia de este tiempo?

Personalmente creo que “leer” una ciudad solamente por medio de sus edificios es lo mismo que informarse sólo por medio de telediarios. Nos quedamos con una idea incompleta de lo que nos rodea y nos forzamos muy poco a pensar con profundidad sobre quienes son las personas del lugar y como viven de verdad.

Las infraestructuras de una ciudad nos transmiten sus valores y peden decirnos mucho de su sociedad.

En este punto vuelvo a casa pensando y me pregunto sobre São Paulo: ¿qué es lo que nos dicen aquellos ríos y sus entornos? ¿Y sus cables aéreos? ¿Y su sistema de alcantarillado? ¿Y las zonas residuales de su sistema de transporte? ¿Qué es lo que hacemos con ellos? […]

Pero bueno, eso ya da para otro post, así que lo dejo aquí con la semilla de una idea: en los últimos años vengo teniendo un interés casi obsesivo por una especie de “turismo antropológico” que es a la vez motivo de entusiasmo y de cierto cabreo, porque creo que se puede sacar mucho mas de ello. Creo que se trata de una especie de “punto gordo” donde otro turismo podría convertirse en una valiosa herramienta de empatía, solidaridad y conocimiento mutuo entre los ciudadanos de la urbe contemporánea.

Posted by: Paloma Siqueira

Anuncios
2 comentarios
  1. Sim Thiago, uma mudança de mentalidade é bem vinda e necessária para que possamos recuperar o meio ambiente urbano e humano!
    E o melhor caminho é conhecer as alternativas adaptadas ao nosso tempo. A ciclovia da Marginal Pinheiros tem um potencial incrível de trazer as pessoas pra perto do problema e ganhar força para virar solução. Isso esperamos!
    No livro “Naturaleza y Ciudad” de Michael Hough (muito recomendável!) ele fala sobre o processo de recuperação do Rio Don em Toronto, Canadá, (no final dos anos 80 se não me engano) que justamente começou por uma ciclovia, mas que tomou força mesmo através da participação cidadã para conseguir completar o processo de despoluição e devolver a vida ao rio. A existencia da ciclovia fez com que mais gente se concientizasse (de verdade!) da situação do rio e dos beneficios que sua recuperação trariam pra toda a população.
    Vamos esperar que em São Paulo se siga este exemplo: ecologia e cidadania, tá aí a fórmula.

  2. Thiago dijo:

    Por motivos de formações históricas, a consciência coletiva da cidade é como é. No caso de São Paulo, uma mistura de colonizações oportunistas somada a uma invasão interestadual também a procura de “mais”. Faz daqui a metrópole de tudo o que se pode ter ou querer. A cultura da insegurança, a cultura do status, a cultura do consumismo, a cultura do descaso, do egoísmo.
    O paulistano esta educado a não respeitar o espaço público, por entender que não é de sua responsabilidade. E o Governo que já não daria conta sozinho de controlar a estupidez de toda a sociedade junta, é composta por esses mesmos cidadãos . Dentro de alguns alguns poucos que se preocupam com alguma coisa, posturas otimistas nos levam a crer que haverá uma mudança. Necessária. Mas lenta. Ou necessariamente lenta.
    Tivemos um episódio interessante aqui na semana passada a respeito das decisões de construir, ou não, uma estação de metrô no bairro de Higienópolis, criticada por “trazer gente diferenciada” no para os arredores. Pense somente no fato de que isso ainda deve ser discutido! Um dos bairros mais nobres de São Paulo.
    São Paulo tem um potencial incrível para iniciativas como essa do parque em Berlim. O que não falta na malha da cidade são feridas expostas, e ignoradas. O fato é que receio estarmos vergonhosamente despreparados para entender isso.
    Uma iniciativa sutil que tenho reparado apresentar resultados muito interessantes é a iniciativa da prefeitura de estabelecer ciclovias durante finais de semana para lazer. Mesmo num caos viário completamente descontrolado, com a curiosa desculpa de que é domingo, famílias, casais, jovens e idosos se fantasiam de ciclistas e passeiam pela cidade, muitas vezes refazendo os caminhos que percorrem de carro todos os dias (em assustadores poucos minutos). O projeto, que reserva uma faixa de transito para bicicletas ligando alguns parques da cidade pelas ruas, em horários determinados no domingo, cresce a cada mês e, além de trazer o cidadão para o mapa, valorizando cada esquina, cada curva, está criando rapidamente uma cultura da bicicleta na cidade que nunca existiu tão forte. É visível nas ruas a quantidade de pessoas indo trabalhar de bike aumentando.
    Se hoje investissem milhões em ciclovias pela cidade inteira, amanhã estaria tudo vazio e depredado. Com o novo incentivo, os projetos apresentados serão melhores aceitos, construídos e aproveitados. De quebra, ainda constrói uma nova etapa na história da cultura da (in)segurança na cidade e tende a quebrar outros tabus. Faz o indivíduo se sentir parte da cidade e não a parte. Num processo lento, mas eficaz
    Ainda mais numa cidade em que poucos foram os fatores naturais que realmente influenciaram em sua formação, mas muito mais os políticos, os comercias, econômicos e sociais. Tudo o que existe foi construído para resolver algum problema. Resolvido ou não, as cicatrizes estão lá, e fazer a população enxergar isso exige artifícios quase que psicológicos.
    Se valorizamos tanto monumentalizar os acertos da nossa história, porque não, com o mesmo respeito mas com sutileza, poesia e devido bom humor ironizar e escancarar os erros para que não sejam repetidos? Serão definitivamente monumentos mais educativos.
    Muito interessante o tema

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s